REFLEXÕES SOBRE A QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA OFTALMOLOGICA EM PORTUGAL

As dificuldades financeiras, associadas à insuficiente resposta dada pelos serviços de saúde estatais, leva a que muitos doentes recorram às óticas, para tentarem resolver os seus problemas oftalmológicos.
Esta situação é um problema de saúde pública grave, pois os técnicos que os atendem, intitulando-se por vezes como médicos, só estão habilitados para corrigir erros de refração (graduação de óculos) não tendo qualquer capacidade cientifica para diagnosticar doenças oftalmológicas, sendo ilegal qualquer ato “dito médico”que pratiquem, pois põem em causa o futuro da saúde ocular dos doentes ao não detetarem as fases iniciais de muitas doenças oftalmológicas.

Várias doenças dos olhos evoluem, nas suas fases iniciais, sem qualquer sintoma e sem baixa de visão, mas se não detetadas e tratadas precocemente, podem levar a cegueira irreversível. Falamos neste caso do glaucoma, da diabetes ocular e da degenerescência macular ligada á idade, que por serem atualmente as principais causa de cegueira no mundo ocidental, leva a que refletamos mais profundamente sobre elas.

Glaucoma

A forma mais frequente de GLAUCOMA é o glaucoma de ângulo aberto, que resulta da subida lenta e progressiva da pressão intraocular de causa não totalmente conhecida, com carater hereditário, que provoca destruição das fibras do nervo óptico e cegueira.
É uma doença terrível, que evolui lenta e insidiosamente, sem queixas e com redução progressiva do campo visual periférico. Nas fases muito avançadas da doença, a visão fica reduzida a um ilhéu central, a chamada visão tubular.

O diagnóstico é feito pela medição da pressão intraocular ( existem contudo formas que evoluem com pressão intraocular normal – glaucoma de baixa tensão), pelo aspeto do nervo óptico na observação do fundo ocular ( fundoscopia ) e confirma-se com exame dos campos visuais ( perimetria estática computorizada – PEC )
O tratamento consiste, nas formas iniciais, na instilação diária de 1 gota no olho e controle semestral, com medição da pressão intraocular (tonometria) , fundoscopia, fotografia do nervo óptico e PEC. Nas formas mais graves além de instilação de várias gotas, pode ser necessário tratamentos com Laser de Árgon e mesmo cirurgia.
O objetivo do tratamento é estabilizar a doença, zimpedindo a sua progressão, pois as lesões detetadas na altura do diagnóstico são irreversíveis.

Outra forma gravíssima de glaucoma é o glaucoma de ângulo fechado, que resulta da subida brusca da pressão intraocular, para valores muito altos, que se acompanha de quadro de dor intensa na região orbitaria, olho vermelho e baixa acentuada da visão. A crise, se não tratada nas horas seguintes, leva a cegueira irreversível.

Antes da ocorrência da crise aguda, os olhos destes doentes apresentam caraterísticas especiais, a chamada câmara anterior estreita (espaço entre a íris e a córnea), pelo que quando observados por médicos treinados é fáçcil o diagnostico precoce desta situação , consistindo o tratamento na realização de um orifício na base da íris com Laser de Yag (iridetomia) de muito fácil execução e que leva à cura definitiva da doença..
É assim fundamental em qualquer forma de glaucoma um diagnóstico precoce e um plano de tratamento e vigilância corretos, que só um médico oftalmologista poderá garantir.

Diabetes mellitus

A diabetes mellitus é uma doença resultante do aumento dos valores de glicose no sangue, secundário a alterações na produção de insulina pelo pâncreas.
Os valores elevados de glicemia, mantidos durante muitos anos, leva a lesões nas paredes dos pequenos vasos sanguíneos de todo o corpo, sendo os órgãos mais atingidos: os olhos e o rim.

Nos olhos ocorre, numa primeira fase, um aumento da permeabilidade dos pequenos vasos que constituem a microcirculação da retina, de que resulta edema e pequenas hemorragias intraretinianas. Quando a doença evolui sem tratamento, nas fases mais avançadas ocorre obstrução mais ou menos acentuada da microcirculação retiniana,com zonas de má irrigação sanguínea, que provocam o desenvolvimento de membranas neovasculares responsáveis pelo aparecimento brusco de hemorragias intravítreas e descolamentos tracionais da retina, que levam em muitos casos à cegueira.

O diagnostico é feito pela observação do fundo ocular e confirma-se com vários exames complementares: angiografia fluoresceínica ( AF) e tomografia ótica de coerência (OCT). Os resultados destes exames permitem-nos ter a noção da extensão e gravidade da doença e estabelecer o plano terapêutico.

O tratamento consiste, nas formas iniciais, em Laser de Árgon. Nas formas moderadas com alguma baixa da visão resultante  de edema da mácula, usa-se atualmente as injeções intravítreas de agentes antiangeogénicos (Avastin e Lucentis) e as formas graves têm indicação para cirurgia        (vitretomias).

Na diabetes ocular é fundamental o diagnóstico e tratamento precoces, nas fases iniciais em que ainda não existe  baixa da visão, o que só pode ser realizado pelos olhos treinados dum oftalmologista. Quando ocorre baixa da visão, os tratamentos só tendem a estabilizar a doença.

DMI

O tratamento consiste, nas formas iniciais, em Laser de Árgon. Nas formas moderadas com alguma baixa da visão resultante  de edema da mácula, usa-se atualmente as injeções intravítreas de agentes antiangeogénicos (Avastin e Lucentis) e as formas graves têm indicação para cirurgia (vitretomias).

Na diabetes ocular é fundamental o diagnóstico e tratamento precoces, nas fases iniciais em que ainda não existe  baixa da visão, o que só pode ser realizado pelos olhos treinados dum oftalmologista. Quando ocorre baixa da visão, os tratamentos só tendem a estabilizar a doença.

A degenerescência macular ligada à idade (DMI) é uma doença cada vez mais frequente e associada ao envelhecimento da população. Resulta da rotura das camadas profundas da retina na região macular e posterior invasão por neovasos da coroide, que sangram facilmente. O doente queixa-se de perda brusca da visão central, muitas vezes irreversível, resultante de hemorragia submacular aguda.

O diagnóstico é feito pela observação do fundo ocular e confirmado por angiografia fluoresceínica (AF) e tomografia otica de coerência (OCT) .

O tratamento consiste em suplementos vitamínicos de antioxidantes e lutéina e nas formas mais avançadas tratamentos com Laser de Árgon e injeções intravítreas de agentes antiangiogénicos.

 Nas fases iniciais, a doença  é de fácil diagnóstico e com um bom plano de vigilância e terapêutica e possível evitar a evolução para a cegueira.

Como vimos, em todas estas doenças que são as principais causas de cegueira dos nossos dias, é fundamental o diagnóstico precoce, nas fases iniciais da progressão destas doenças, em que ainda não existe perca da visão. Este diagnóstico e posterior estabelecimento dum plano de tratamento só pode ser realizados por médicos oftalmologistas que para tal foram treinados durante anos e continuam em constante atualização. Assim qualquer tipo dos chamados rastreios da visão, realizados a adultos ou crianças, em que se pesquisa somente a acuidade visual, não servem para nada, tendo como única finalidade atrair às óticas, os doentes menos atentos.

Por outro lado são um grave atentado à saúde pública, pois dão aos doentes, que se submeteram as esses ditos rastreios, uma sensação de saúde ocular que muitas vezes é falsa, impedindo assim a deteção precoce de muitas doenças oftalmológicas.

Dr. António Franco